Visit Gijón » Cultura » Gijon, passado de baleias e sardinhas

Gijon, passado de baleias e sardinhas

No Porto Desportivo, em frente da antiga Rula, no bairro de Cimavilla, podemos encontrar-nos com dois dos sítios da cidade com mais charme.Duas ruas que quase se tocam.Estamos a falar do Tránsito de las ballenas, a rua que sobe em direção ao Cerro de Santa Catalina,e da Cuesta’l Cholo, que sobe até à ermida de la Soledad.

É uma das zonas mais populares da cidade.Muito concorrida pelos playos (os habitantes do bairro de Cimavilla) e também pelos restantes habitantes da cidade e turistas.É um miradouro perfeito onde descontrair enquanto se observa o entardecer sobre o porto resguardado dos ventos do nordeste.E, sobretudo, um bom local, se o tempo estiver favorável, para gozar o sol, a vida na rua e a sidra.

O nome “Cuesta’l Cholo” foi trazido pelos emigrantes que vinham da América e, desde então, é assim conhecida, visto que anteriormente a rua chamava-se Canto de la Riba.Mas quem é que era Cholo?

Talvez fosse aquele mestiço que fez com que no acervo popular essa voz proveniente do Peru ganhasse raízes.Ou talvez nunca tenha havido nenhum “Cholo” e tenha sido fruto de uma brincadeira ou do engenho dos pescadores de então.Também pode ser que seja algo tão nosso como o diminutivo asturiano de Manuel.Era neste sítio que as sardinheiras, antes do desaparecimento da velha lota, subiam com cestas de peixe à cabeça ao som do pregão de hay sardines!, uma tradição muito nossa que ainda se reflete nos bares da zona, onde a cuidada gastronomia pesqueira faz parte da sua essência.

O Tránsito de las ballenas recebe esse nome porque era o sítio onde se esquartejavam as baleias que chegavam às nossas costas.Um passado marcado pela buliçosa vida pesqueira.Até os nomes dos locais que ali há agora recordam esse passado:El Mercante, El Planeta e, como não podia deixar de ser, Las Ballenas.Esse passado está refletido no retábulo do mar, na casa natal dos Jovellanos.

Sem dúvida que essas curiosidades marcam o nosso caráter.E, já sabe, quando vier a Gijon, não se esqueça deste passeio entre velhas histórias de baleias e sardinhas.

Publicar um comentário


Se os nossos artigos lhe interessam, não se esqueça de subscrever o nosso feed RSS